Texto publicado no Jornal JÁ

Servidores do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre aderiram ao dia de paralisação contra a reforma da Previdência. Ao longo desta quarta-feira, aconteceram manifestações em vários estados brasileiro.

As manifestações foram convocadas pelas centrais sindicais, em protesto contra o projeto de reforma da Previdência do governo do presidente Michel Temer.
 
Em frente ao HPS, um grupo de servidores montou piquete e distribuiu panfletos desde as primeiras horas da manhã. O grupo não impediu o acesso dos demais funcionários que quisessem acessar o prédio.
 
“Essa reforma é um desrespeito ao trabalhador, que não tem culpa. Eu não acredito que a Previdência esteja falida, isso é uma mentira dos governos”, defendeu o presidente da Associação dos Servidores do HPS, Everaldo Nunes.
 
À tarde, o grupo se reuniu aos grupos de municipários de outras categorias. De lá, parte para a esquina democrática, de onde parte a marcha unificada, às 18h, que fecha o dia de mobilizações.
 
Os municipários já se mobilizam em relação ao possível atraso ou parcelamento de salário, já admitida pelo prefeito. “Marchezan está ameaçando cortar salários. Se não tem salário, não tem trabalho”, declarou Everaldo, que classificou a situação como “tortura psicológica” com os servidores do município.
 
Outra decisão da prefeitura criticada por Everaldo é o corte no pagamento de horas extras. “Eu sou contra hora extra. O trabalhador tem que receber um bom salário sem hora extra. Mas a escala hoje é composta por hora extra, vai falta gente para trabalhar”, afirmou. Segundo Everaldo, há um déficit de 200 funcionários no quadro do HPS. Atualmente, trabalham no local cerca de 1500 servidores.
15 de Março de 2017
Um voto de diferença, num painel de 17 a 16, garantiu o veto do prefeito Nelson Marchezan Jr (PSDB) ao projeto da oposição que pretendia impedir o parcelamento dos salários e despesas de servidores municipais de Porto Alegre. Em janeiro, Marchezan apresentou o veto total sob a justificativa de que o projeto teria “vício de iniciativa”, já que o tema seria de competência exclusiva do Executivo, e não teria “condições de ser transformado em lei”. O projeto, de autoria dos vereadores do PSOL Fernanda Melchionna e Alex Fraga, já havia sido aprovado na Câmara em dezembro.
 
No texto, o projeto previa que “as despesas com pessoal ativo e com pessoal inativo dos órgãos da Administração Direta e das entidades da Administração Indireta do Executivo não poderiam ser parceladas nem preteridas por outras despesas”. A proposta antecipava também duas exceções: aplicações e repasses constitucionais obrigatórios; e a gratificação natalina, que poderá ser parcelada em até duas vezes dentro do exercício devido. Na justificativa, os parlamentares afirmavam que “o escopo é a garantia da remuneração dos servidores e, por conseguinte, da manutenção das funções precípuas do município”.
 
Na sessão da tarde desta segunda-feira (06), vereadores da base do governo Marchezan usaram metáforas comparando a gestão do Executivo com a administração de “uma casa” ou “uma empresa”. “Todos nós esquerda e direita, temos de enfrentar”, afirmou o vereador Matheus Ayres (PP).
 
O líder do governo na Câmara, Cláudio Janta (SD), tentou reverter a argumentação da oposição, dizendo que o projeto do pessoal colocava 76% do funcionalismo de Porto Alegre em risco de não receber seus salários, para não afetar os 24% que tem vencimentos superiores a R$ 5 mil por mês. “São 28.735 servidores – 76% da categoria recebe no máximo R$ 5 mil. Se nós aprovarmos esse projeto e o governo tiver X em caixa, poderá pagar os salários? Não, não poderá. O governo só poderá pagar o salário quando tiver o montante dos outros 24% que ganham acima disso”, afirmou ele.
 
Janta, que é presidente licenciado da Força Sindical do Rio Grande do Sul, foi chamado de “pelego” pelos municipários que assistiam à sessão. O vereador tentou responder citando exemplos de governos do PT que parcelaram salários e afirmando que “reter salário é bíblico, é retirar a essência da vida”. “Nós estaremos cometendo uma atrocidade, uma vergonha com 76% dos municipários de porto alegre que ficarão atrelados aos 24% que ganham mais de 5 mil. E a uma nata muito menor, de 5%, que ganha o teto. Então, encaminhamos para manter o veto a esse projeto”.
 
Outros vereadores que encaminharam o voto pela manutenção do veto, como Cassiá Carpes (PP), seguiram na defesa de que o projeto seria “inconstitucional”, e trocaram farpas com os servidores que acusaram de “massa de manobra”.
 
O lado contrário
Líder da oposição, a vereadora Fernanda Melchionna lembrou de uma fala do próprio Janta durante a votação do projeto, realizada em dezembro, ainda durante a gestão de José Fortunati (PDT): “Salário é sagrado e tem que ser pago em dia, assim como o 13º”. E disse que “o erro do PT e outros governos, não transforma o projeto de Marchezan em acerto”.
 
Melchionna se defendeu das acusações de que estaria sendo “demagógica” com a proposta e acusou os vereadores da base de “se esconderem para não se comprometerem politicamente com servidores”. A parlamentar do PSOL lembrou pautas como a questão dos cortes na merenda das escolas públicas municipais, anunciados pela gestão atual, que não foram mencionados pela base. “Não falaram nem um pio no terrorismo que o Marchezan está fazendo desde o final do ano passado com o salário dos servidores”, lembrou ela.
 
Co-autor da proposta junto com Melchionna, o vereador Alex Fraga, professor da rede municipal, lembrou também que a mesma Câmara aprovou no ano passado uma moção de apoio aos servidores do Estado que sofriam com salários parcelados. “Naquele momento era só o que podíamos fazer. Agora é a nossa vez, agora é a nossa possibilidade. Os atores envolvidos no processo precisam de oportunidade para agir”, defendeu ele. “Eu estou cumprindo meu trabalho, não é demagogia, não é oportunismo (…) A prefeitura que encabece um projeto e diga que é errado parcelar salários”.
 
Além do apoio fechado da bancada do PT, os votos pela manutenção do projeto vieram ainda de vereadores do PR, PSB, DEM, PMDB, PROS, PSD e PDT – nenhuma delas unânime. “Se a política vota contra os professores, ultrapassa os interesses daqui e de lá. Os professores e servidores públicos tem que ser unanimidade sempre”, defendeu o vereador Rodrigo Maroni (PR).
 
Antes da votação ser aberta, Melchionna afirmou na tribuna que se perdessem, o que poderia garantir que a prefeitura não venha a parcelar os salários seria a “junção de forças” na categoria dos municipários. “[A votação] é mero detalhe, detalhe que seria importante, mas que não muda em nada”, defendeu.
 
Veja como votou cada vereador (o não corresponde a apoio ao veto): 
Parlamentar                                Partido                                Voto
Adeli Sell                                       PT                                      Sim
Airto Ferronato                             PSB                                   Sim
Aldacir Oliboni                             PT                                      Sim
Alvoni Medina                              PRB                                  Não
André Carús                                 PMDB                               Sim
Cassiá Carpes                             PP                                     Não
Cassio Trogildo                           PTB                                   Não
Cláudio Conceição                     DEM                           Não votou
Clàudio Janta                               SD                                    Não
Comandante Nádia                     PMDB                              Não
Dr. Goulart                                     PTB                                  Não
Dr. Thiago                                     DEM                                 Sim
Felipe Camozzato                       NOVO                              Não
Fernanda Melchionna                PSOL                               Sim
Idenir Cecchim                             PMDB                              Sim
João Bosco Vaz                           PDT                              Ausente
João Carlos Nedel                      PP                                    Não
José Freitas                                  PRB                                 Não
Luciano Marcantônio                  PTB                                 Não
Marcelo Sgarbossa                     PT                                    Sim
Márcio Bins Ely                            PDT                             Ausente
Matheus Ayres                             PP                                   Não
Mauro Pinheiro                            REDE                             Não
Mauro Zacher                               PDT                                Sim
Mendes Ribeiro                           PMDB                             Não
Moisés Maluco do Bem              PSDB                             Não
Mônica Leal                                  PP                                  Não
Paulinho Motorista                      PSB                                Sim
Paulo Brum                                   PTB                                Não
Prof. Alex Fraga                           PSOL                             Sim
Professor Wambert                     PROS                             Sim
Roberto Robaina                        PSOL                              Sim
Rodrigo Maroni                           PR                                   Sim
Sofia Cavedon                            PT                                    Sim
Tarciso Flecha Negra                PSD                                 Sim
Valter Nagelstein                        PMDB                             Não
06 de Março de 2017
Médicos e enfermeiros estão com medo de trabalhar por causa da violência. Diversos tiroteios já ocorreram no local. Pronto Atendimento está com serviços restritos.
 
Um que homem foi morto a tiros por volta das 21h40min deste domingo na Rua Bom Jesus, em frente ao Pronto-Atendimento do bairro Bom Jesus, na zona leste de Porto Alegre. A vítima identificada como Jorge Fernando Prestes, ainda não teve a idade confirmada pela polícia.
 
De acordo com o delegado Rodrigo Reis, do Departamento de Homicídios, o homem chegava em casa de carro quando foi atingido por disparos. As circunstâncias do crime são investigadas.
 
Fonte: Zero Hora

MATÉRIA DA BAND NEWS TV

27 de Fevereiro de 2017
Texto publicado no site Diário do Centro do Mundo. Toda a solidariedade da ASHPS aos colegas de Florianópolis!

No dia em que a greve dos funcionários públicos municipais de Florianópolis completou um mês, milhares de pessoas realizaram uma passeata hoje, dia 16, pelo centro da cidade. Entre os manifestantes, havia muitos pais de alunos que hoje estão sem aula por causa da paralisação.
 
É o caso da Alexandra Alencar, que não foi sozinha para a rua. Mãe de um adolescente, que ficou em casa, Alexandra levou um grupo de maracatu, que, ao som do tambor, dançava e acompanhava o refrão dos grevistas: “Nenhum direito a menos”.
 
Por que pessoas atingidas pela paralisação dos serviços apóiam a greve em Florianópolis?
 
O presidente da Federação dos Servidores Públicos de Santa Catarina, Lizeu Mazzioni, que é professor em Chapecó, acredita que a violência das medidas tomadas pela administração do prefeito Gean Loureiro, do PMDB, despertou na sociedade o sentimento de solidariedade.
 
“O que acontece aqui é legítima defesa”, diz ele.
 
Gean Loureiro se elegeu com a promessa de que valorizaria o serviço público e os aposentados. Mas, alguns dias depois da posse, enviou para a Câmara Municipal um conjunto de projetos de lei que, entre outras coisas, propunham o fim do plano de carreira do servidor e cortes superiores a 50% nas futuras aposentadorias.
 
O prefeito convocou a Câmara durante o recesso e conseguiu aprovar as medidas em poucos dias, mas por apenas um voto de diferença: 12 a 11. Os servidores já estavam na rua protestando quando as medidas foram aprovadas, e continuaram de braços cruzados, ao mesmo tempo em que organizavam grandes manifestações.
 
Na semana passada, o procurador geral do município entrou na Justiça com o pedido de intervenção no Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Florianópolis. A prefeitura pediu também a prisão de todos os diretores da entidade, que não estariam cumprindo a ordem judicial de retomar as atividades.
 
Houve reação de mais de 300 entidades sindicais do mundo todo, da Rússia aos Estados Unidos, do Paquistão à Índia, da África à Dinamarca – repercussão no mundo todo, e a imprensa brasileira ignora os eventos de Florianópolis.
 
Essas entidades enviaram mensagens para a desembargadora que julgaria o pedido de intervenção e a prisão dos dirigentes. No despacho, a desembargadora descartou o pedido de prisão, mas estabeleceu multas pesadas para cada dia de paralisação. Ainda assim, a greve não parou.
 
“Foi uma grande vitória. Só vi algo parecido, no sentido de mobilização internacional, na época das greves do ABC, quando prenderam Lula e outros sindicalistas”, disse João Batista Gomes, diretor da CUT , que saiu de São Paulo para participar do ato desta quinta-feira em Florianópolis.
 
“O que está acontecendo aqui um ensaio do que vem por aí. O golpe foi para isso. Arrochar os aposentados, destruir a previdência e acabar com a base do serviço público”, diz ele, que é funcionário de carreira da Prefeitura de São Paulo.
 
“Se passar em Florianópolis, vai passar no Brasil inteiro. No fundo, o conjunto de medidas daqui é a síntese do governo Temer: ataque aos direitos trabalhistas, reforma da previdência e reforma tributária – aqui eles estão diminuindo impostos para os ricos e castigando o serviço público. Tiram de quem mais precisa para dar aos ricos”, diz Alex Santos, presidente do Sindicato em Florianópolis, que está à frente desse movimento.
 
Casado, pai de um menino de oito anos e à espera do segundo filho, ele tem perdido horas de sono, para dar conta de assembléias e reuniões. Professor de educação física, com mestrado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Alex apostou tudo no serviço público e hoje se sente um traído.
 
Está com aparência cansada, mas muito motivado. Alex Santos acha que o desfecho da greve em Florianópolis ainda vai demorar. “Só vamos parar quando o prefeito revogar as leis aprovadas”, promete.
 
Na manifestação de hoje, Luciana Genro, que foi candidata a presidente em 2014, também compareceu, orientada por um amigo que mora em Florianópolis, que lhe disse: “Eu nunca vi um movimento como este. Tem algo diferente acontecendo aqui e você precisa vir.” Ela foi e elogiou: “Eles estão fazendo história.”
 
Até os médicos, normalmente resistentes a movimentos grevistas como estes, participam em peso das manifestações. Murilo Leandro Marcos, do Programa Saúde da Família, diz que o pacote vai desestruturar o Sistema Único de Saúde, ao tirar a perspectiva de carreira do médico e reduzir horas de trabalho dos agentes comunitários.
 
Murilo lembra que Florianópolis tem um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano do Brasil, entre outros fatores por conta de um serviço público premiado não só na área médica, mas também em educação.  “Sem perspectiva de carreira, com uma lei que não valoriza quem faz cursos, quem vai querer ficar aqui?”, indaga.
 
A comerciante Celi de Lima conversava com a professora Cecília da Silva, também grevista, e perguntou se a greve ainda iria demorar. “Depende do prefeito”, disse Cecília.
 
“A atual administração de Florianópolis, que une PMDB e PSDB, achou que daria um golpe nos servidores e ficaria tudo por isso mesmo. Mas eles acabarão descobrindo que não. O movimento sindical, unido ao movimento estudantil e outros movimentos sociais, está renascendo”, afirma  Lizeu Mazzione, da Federação.
 
No caminhão de som, o diretor do Sindicato dos Motoristas de Florianópolis Deonísio Linder ameaçou parar os ônibus se, em uma semana, a prefeitura não revogar o pacote de medidas.
 
Uma jovem também teve a palavra e fez um discurso inflamado. Era Mayara Colzoni, que falou em nome dos estudantes secundaristas de Joinville. No peito, ela trazia um broche: Liberdade e Luta. Uma corrente com esse mesmo nome se destacou nas manifestações dos últimos anos da ditadura.
 
Os dirigentes da nova Liberdade e Luta têm idade para serem netos daqueles do final dos anos 70 e início dos anos 80. Mas a palavra de ordem é parecida: pela democracia, fora Temer. Ou fora, Gean Loureiro, o mini-Temer de Santa Catarina.
 
Há 40 anos, se dizia algo que, traduzindo, significava: pela democracia, fora, generais. Jovens como Mayara não têm dúvida: a liberdade se conquista com luta.
17 de Fevereiro de 2017
Parceiros